Aos Olhos de Um Estrangeiro – Comprar a Prazo e Natal

dezembro 26, 2012 por  

natal

Comprar a prazo.

Uma das coisas mais estranhas para mim aqui é o costume de comprar e pagar a prazo. Nas vitrinas das lojas os preços estão mostrados como 3 x R$ 7,75. O preço à vista fica muito pequeno ou as vezes totalmente ausente. Também dentro da loja, se perguntar o preço, o vendedor vai falar imediatamente que você pode pagar em 3 ou 6 vezes, ainda sem falar o preço à vista. E a maioria dos clientes compram e pagam assim, no carnê, em 3, 6 ou mais vezes.

Em meu país, a Holanda, e outros países na Europa, esta maneira de anunciar, vender, comprar e pagar, é realmente muito rara. Existe somente em uma ou duas lojas que são especializadas neste tipo de negócio, nas grande cidades. E as pessoas vão lá especialmente para comprar desta maneira, normalmente em casos de absoluta emergência ou necessidade.

Uma pequena minoria do público compra pelos catálogos de lojas de encomenda postal, por exemplo “Wehkamp” ou “Otto“. Estas lojas vendem tudo que você pode imaginar pelo catálogo, roupas, móveis, cozinhas, perfumes, ferramentas, bicicletas, motos, livros, CDs, viagens, seguros, tudo. Além destas lojas que vendem literalmente tudo, existem clubes de livros e músicas que também vendem pelos catálogos e encomendas postais. Como membro de clube, os clientes têm a obrigação de comprar um certo número de livros ou CDs por mês ou semestre.

Estas lojas, tantas as gerais como as especializadas, ganham seus lucros não pelas suas vendas mas pelo juros nos pagamentos a prazo. Mas estas são as únicas possibilidades para comprar sem pagamento à vista na Europa (pela minha experiência): lojas especializadas, encomendas postais, e clubes de livros e CDs.

Lojas comuns não vendem a prazo nem fiado.

Eu ainda não compreendo totalmente a preferência do público de comprar aoprazo. Esta maneira é sempre bem mais cara do que comprar e pagar à vista. Em primeiro lugar, os juros aqui são muito altos. Especialmente no longo prazo, 12 ou 24 meses. Mas também quando for possível pagar no carnê “sem juros”, será possível negociar um bom desconto para o pagamento à vista.

Se as pessoas esperarem um pouco antes de comprar, por exemplo uma TV ou um DVD, e poupar o dinheiro por isso, eles pagarão muito menos pelos mesmos produtos. E por saldo eles podem comprar mais coisas pelo mesmo dinheiro. Outro: se eles não conseguem poupar o dinheiro antes de comprar, como eles vão pagar as parcelas depois da compra? Em muitos casos o total das parcelas a pagar precisa do salário inteiro. E então, como eles vão viver, comer, e pagar as contas da luz, água, etc. no próximo mês?

 

A festa de Natal.

Quando é verão aqui no Brasil, é inverno na Europa. E o inverno lá é realmente frio, muitas vezes com neve, gelo nas ruas e nos rios, e as temperaturas caem por volta ou em baixo de zero graus. As festas de Natal e Ano Novo são celebrados totalmente dentro da casa, fora do frio.

O Natal tem dois dias de feriado: Primeiro Natal 25 de dezembro e Segundo Natal 26 de dezembro. O Primeiro Natal é uma festa íntima da família.  Na noite de 24 ao 25 de dezembro os crentes visitam juntos um culto na igreja seguido por um café de manha festivo e extenso. O dia de Natal é um dia familiar numa atmosfera de paz e tranqüilidade. O segundo Natal está usado para visitar parentes, principalmente os pais e avôs para almoçar e jantar juntos. Todos ficam muito perto da família e ficam dentro da casa. Tudo isso é bem diferente do que aqui, onde o Natal é comemorado com o sol, as altas temperaturas, um churrasco lá fora no quintal, as cervejinhas e para muitas pessoas, as férias na praia.

Para todos meus leitores um Feliz Natal e Prospero Ano Novo. Até a próxima.

(publicada pela primeira vez em Dezembro 2006, editada e republicada aqui em Julho 2012)

Hans van Denderen,

professor particular de Inglês,

Holandês e Alemão.

e-mail: hansbrasil@globo.com

Comentários

Uma Resposta to “Aos Olhos de Um Estrangeiro – Comprar a Prazo e Natal”

  1. Marisa on janeiro 16th, 2013 2:57 pm

    Pois é… Também sou estrangeira e a primeira coisa que mais estranhei quando aqui cheguei foi justamente isso.
    Sou Portuguesa e lá também é raro as lojas fazerem esse tipo de vendas. Desde pequena aprendi a juntar meu dinheiro pra comprar as coisas que queria e não comprá-las parceladas. Achei muito estranho.
    Mas é 1 questão cultural. Por se tratar de um país que sempre teve problemas financeiros as pessoas não tinham como comprar à vista. Se as comprassem parcelado demorariam a pagar mas o objecto já cairia nas mãos. Era mais comodo.
    Agora que o Brasil melhorou financeiramente está na hora de tentar mudar essa cultura e acabar com a festa dos comerciantes.

    Abraços.

Deixe uma resposta...




Bottom